29 de maio de 2012

Delírio, Lauren Oliver

Delírio é o primeiro livro de uma trilogia, lançado no Brasil pela Editora Intrínseca, assinado pela mesma autora de – Antes que eu váLauren Oliver. 

Antes que eu vá é um livro único, um romance juvenil inteligente e profundo sobre bullying, já fiz resenha sobre ele aqui. É um dos meus livros favoritos do gênero, então estava ansiosa para ler o novo livro da autora. Fico feliz em dizer que ela superou as minhas expectativas. 

Delírio se passa nos Estados Unidos, em um futuro próximo. Nessa distopia, o amor é considerado o responsável por (quase) tudo de ruim que aconteceu no passado, é uma doença que afeta muito as pessoas, tornando-as imprevisíveis. Quarenta e poucos anos atrás, a cura da deliria nervosa finalmente foi encontrada e todos os cidadãos devem passar por um procedimento cirúrgico aos 18 anos – idade em que os riscos da cirurgia diminuem consideravelmente – para finalmente estarem fora de perigo. Além da aplicação da cura, as pessoas são controladas tem sua vida facilitada por várias regras; os meninos e meninas estudam em escolas separadas e praticamente só tem contato com familiares e outras pessoas curadas até o dia da cura. Aos 18 anos a vida da pessoa muda muito, um parceiro compatível deve ser escolhido de uma pequena lista pré-determinada, o jovem termina a escola e passa por uma avaliação para ser decidido o seu futuro acadêmico, se for bem, vai para a universidade ou pula essa etapa, recebe a cura (o que também acontece com o universitário) e se casa com o parceiro selecionado. Os não-curados, por serem vulneráveis, tem toque de recolher e são cuidados de perto pelos responsáveis.
A fronteira dos Estados Unidos foi fechada completamente, ninguém entra ou saí do país, pois o resto do mundo sofre com uma epidemia de deliria nervosa, eles não tem a cura, ou seja, estão condenados. As cidades também são fortemente cercadas, e existe toda uma burocracia para sair da sua cidade ou estado. O motivo disso, é que apesar das fronteiras fechadas, no próprio país, existem Simpatizantes – pessoas que vivem em sociedade e fingem concordar com as regras, e Inválidos – que nasceram nas florestas ou fugiram para lá antes de receber a cura. Essas pessoas, quando capturadas, são mortas ou presas sem direito a nada.

Acho que situei como funciona o “mundo” do livro, por ser o 1º de uma trilogia, a autora apresenta e descreve bem os elementos dessa realidade, como as pessoas são controladas poupadas de maiores dificuldades, gosto muito da forma como ela escreve, mesmo com a introdução de tudo, não ficou chato ou lento.
“O Dia da Avaliação é um rito de passagem emocionante, que o prepara para um futuro de felicidade, estabilidade e parceria.” [pág. 21]
- Sabe que não é possível ser feliz a não ser que às vezes se sinta infeliz, certo? [pág. 24]
A narração em primeira pessoa é feita por Lena, de 17 anos, ela teve uma vida turbulenta, comparada a das outras garotas e ao que o governo deseja que seja o padrão. O pai dela morreu, ela e a irmã mais velha foram criadas pela mãe até o início de sua infância, acontece que a mãe nunca respondeu bem a cura, passou pelo procedimento três vezes e continuou infectada pela doença, que a levou a morte. Então Lena e a irmã Rachel foram morar com os tios, acontece que sua irmã também ficou doente antes da cura, felizmente com ela a cirurgia funcionou e agora já esta casada e calma. Lena esta contando os dias para receber a cura, ela tem muito medo do seu passado, ainda lembra-se do comportamento estranho... amoroso... da mãe. A narradora é diferente, ela não é uma beldade, nem uma mente brilhante – ela não é exagerada – para o bem ou mal.  Apesar de estar sempre pensando em mil coisas sobre o governo, a cura, e o passado, ela tenta ao máximo fazer tudo direitinho, não chamar a atenção, para ser bem avaliada e casada. O que mais deseja é receber logo a cura e deixar para trás tantas dúvidas e lembranças. É isso o que a cura faz, ela te acalma, os curados não tem desejos/sentimentos intensos.
Claro que algo precisa tirar Lena dos trilhos para dar continuidade à trama, primeiro - sua melhor amiga Hana, começa a ficar inquieta com as mudanças e resolve aproveitar ao máximo o tempo que resta, mesmo que para isso precise quebrar algumas regras, indo a locais não autorizados e frequentando festas clandestinas. E depois, surge um cara, Alex – um personagem excelente, cheio de vida e ideias, um alivio – sem excessos. Hana, Alex e outras figuras fazem Lena questionar sobre tantas imposições do governo, sobre o tão temido ... amor. Talvez a dor do amor seja melhor do que uma vida inteira de nada, de indiferença.

O enredo por si é bem consistente, achei ótimo como a autora incluiu fatos e algumas tramas famosas da literatura de forma coerente e que complementam e enriquecem bastante a narração. É legal quando os livros ganham destaque nas narrações – aqui o livro do ShhhSuma de hábitos, higiene e harmonia – mostra o valor, a força dos livros, essa leitura obrigatória esclarece os perigos do deliria.
Algo que me incomodou um pouco, do inicio até o meio, foi Hana – ela é a melhor amiga, nem tão amiga, que precisa menosprezar ou ter uma amiga “mais ou menos” para sentir-se melhor, o que é ridículo, afinal ela é linda e maravilhosa, a corajosa e rebelde que acaba dando o empurrão necessário na outra. Não é bem a personalidade dela que me incomoda, ou a da outra que aceita levar na cabeça, mas sim, essas “melhores amigas” que precisam se esforçar mais para serem chamadas de ... melhores. Igual, isso não atrapalha a narração de forma alguma, Hana não é chata e até agita bastante as coisas.
A ideia do amor como uma doença é tão fácil de visualizar, e achei bem original, foram lançadas várias distopias com núcleo jovem no último ano, ainda assim, Delírio deve se destacar, pois a autora sabe trabalhar muito bem os sentimentos, ela sabe tocar onde dói, o leitor (eu pelo menos) vai tirar algo daí, e isso nem todos conseguem. Esse livro é recomendado, pode agradar jovens e adultos.
Chegou ... Delírio <3 on Twitpic 
Edição: A versão brasileira ficou muito bonita, a capa é brillhosa/metalica e de tom esverdeado. O miolo é de folhas amareladas. Antes de cada capítulo tem uma citação, algumas do Shhh.

Título: Delírio
Original: Delirium
Autora: Lauren Oliver 
Tradução: Rita Sussekind
336 páginas
Intrínseca
Trilogia Delírio:
  • Delírio
  • Pandemônio
  • Requiem (lançamento nos EUA em 2013)

22 comentários:

  1. Oi

    Eu adoro esse livro! Adoro o tema que a autora resolveu trabalhar e a maneira como ela trabalhou. Ela realmente sabe tocar onde dói... E eu adorei o livro do Shhh e os sintomas da doença que aparece nos capítulos.

    Gabi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi

      Ficou muito legal aqueles trechos entre capítulos :)

      Excluir
  2. Oi, Cláudia!

    Sua resenha ficou excelente! Faz muito jus ao livro, pelo menos, ao que eu tb senti com a leitura. Acho q Lauren Oliver se mostrou uma ótima escritora no estilo YA e anseio por mais de seus livros.

    Bjo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daniela

      Puxa muito obrigada :D também aguardo outros dela.

      Bjus

      Excluir
  3. Quero muito ler esse livro, tenho ele aqui em inglês e começarei a lê-lo em Junho provavelmente.. \o/
    Sua resenha me deixou muito curiosa com a história..
    beijinhos

    http://tyelehopes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Gente, so eu que sou estranha e ODIEI o livro com todas as forcas do universo?
    Quase cortei os pulsos p/ terminar de ler ele! O trauma foi tao grande que eu nunca mais leio nada da Lauren Oliver, nada!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é não :), só não deve fazer o seu estilo.

      Excluir
    2. Chorei muito com esse livro e fiquei traumatizada, com certeza não irei ler esse livro novamente, senti uma dor no peito como se eu fosse a Lena, eu não acreditava no que eu estava lendo, so conseguia chorar quando terminei o livro foi horrivel. Eu tbm odiei o livro, mas acho q vou ler Pandemônio so pra continuar a estória, mas esse livro me deixou em choque

      Excluir
  5. @cyberlivingdead30 de maio de 2012 09:04

    Olá, Cláudia!
    Já li alguns comentários sobre esse livro e todos, absolutamente todos, foram positivos. Agora vamos ver os seus...
    Apesar de bullying ser um assunto importante de ser debatido, acho que a questão já foi tão debatida e as soluções já traçadas que não sinto vontade em ler um livro sobre isso. Pode até ser "Antes que eu vá" consiga fazer uma abordagem interessante e diferente, mas o tema por si só não me chama a atenção. Só fiquei sabendo dessa autora por "Delírio".
    Essa ideia do amor como uma doença não é novidade, mas pelo que todos falam, nesse livro é construído esse dilema de forma nova. Acho super válida essa história por aumentar tanto as consequências fisiológicas e psicológicos de amar a ponto de parecer a mais terrível doença, pois assim também somos convidados a debater sobre as propriedades do amor. Não, não acho que amar seja uma condição unicamente física, mas o amor nos deixa mesmo meio "no espaço", mas é algo tão bom! *-*
    Parabéns pela resenha!

    Beijos!
    http://policialdabiblioteca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cyber

      Sério? quer dizer, entendo a falta de vontade de ler um livro sobre o tema bullying, mas não vi solução para o bullying, acho até que esta sendo distorcido pela mídia e pelas pessoas, claro que isso é como eu vejo.

      Já em Delírio já havia sido conquistada pelo estilo da autora :) e ficou bem interessante a forma como ela construiu a trama.

      Muito Obrigada!
      Bjus

      Excluir
  6. Comprei esse livro tem pouco tempo pq a história me interessou bastante. Distopias tem me interessado bastante xD Achei bem criativa a forma da autora tratar do amor, como algo que deve ser controlado, proibido.
    Ótima resenha Cláudia!
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Priscilla

      Espero que goste do livro :)

      Abraços

      Excluir
  7. Antes de tudo, adorei esse Shh, hahah Achei um barato!
    Eu tenho muita vontade de ler o livro, justamente pelos vários comentários positivos. Eu tenho Antes que eu vá mas ainda não consegui ler. Quero ver se pego nas férias... Tão próximas *-*
    Delírio é uma distopia bem diferente e o tema principal é o que a mais deixou famosa, trazer o amor como uma doença... Adorei isso!
    Eu pedi o livro de presente de aniversário à uma amiga, mas acho que ela não vai me dar... Rsrsrs Vou esperar uma promo e vou comprar!
    Beijão, Cláudia!

    ResponderExcluir
  8. Acabei de terminar e simplesmente chorei. Fiquei desesperada e corri ver qual é o próximo, e soube que ainda não foi lançado no Brasil. Cara, vou me matar. Livro maravilhoso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, só em 2013. Vamos ter que aguardar :)

      Excluir
  9. Tinha lido uma resenha desse livro e achei muitooo louco, mas com certeza fiquei curiosa, agora lendo a tua resenha, fiquei mais curiosa ainda, com certeza esse livro merece ser lido o quanto antes. Oo
    Bjbj Cláudia! \o

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kézia

      Ah merece sim, eu amei :D espero que curta também.

      Bjus

      Excluir
  10. Li quando saiu em inglês, e achei um dos distópicos mais bem escritos até agora. Tô pra morrer que meu Pandemonium não chega!

    ResponderExcluir
  11. Eu acabei de ler ele ontem, fiquei meio chocada quando terminei de ler pois nem sabia que era uma triologia pensei q terminava meio q assim sem final, comprei o livro por causa da capa e a historia eh tao linda quanto ela!! acho que ficarei louca tentando imaginar como sera a continuação! Beiijos Cláudia!! by Franciele Campos http://www.facebook.com/fraan.caampos

    ResponderExcluir